?>
criar site elevadores joomla barra funda itaquera hospedagem joomla hospedagem
 
 
 
Quarta, 21 Set 2016
 
 
Brasilienses estudam como medir há quanto tempo uma marca de dedo foi feita PDF
Estudiosos apresentam em revista internacional estudo sobre técnica que permite medir há quanto tempo uma marca das mãos ou dos dedos foi feita. A metodologia surgiu durante a investigação do crime da 113 Sul

Bruna Sensêve
Publicação: 15/09/2013 08:00 Atualização:
Diferentemente do que mostram as longas e árduas investigações da série de televisão norte-americana CSI, a identificação de uma impressão digital, palmar ou da planta dos pés é suficiente para solucionar um caso policial. Isso porque, muitas vezes, o vestígio pertence a uma pessoa que não tem acesso legítimo ao local do crime, e a comprovação de que ela esteve ali facilita imensamente o trabalho dos investigadores. No entanto, nem sempre o autor é alguém desconhecido das vítimas, e as impressões encontradas são todas de indivíduos que costumam ir ao local. Nessas situações, a investigação tende a se complicar, e a informação sobre o momento em que determinada impressão foi marcada na cena — antes, durante ou depois do crime — pode ser crucial para elucidar a história.

Foi um desses casos que chegou, em 2009, à equipe do Laboratório de Perícia Papiloscópica do Instituto de Identificação da Polícia Civil do Distrito Federal (II-PCDF). Ao investigar o homicídio do ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) José Guilherme Villela, de sua mulher e da empregada da casa, os responsáveis pelo caso não acharam nenhuma impressão digital estranha. Chegou-se, então, à necessidade de confirmar quando a marca de uma palma da mão havia sido feita em um móvel do apartamento, na 113 Sul. O objetivo era descobrir em qual período o dono daquela impressão palmar tinha passado pelo local. Frente a esse desafio, o papiloscopista brasiliense Rodrigo Meneses de Barros, que ficou encarregado da missão, desenvolveu um método para chegar à resposta. Replicada em um experimento na Universidade de Brasília (UnB), a técnica foi descrita na última edição da respeitada revista forense internacional Science and Justice.

Fonte: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/ciencia-e-saude/2013/09/15/interna_ciencia_saude,388166/brasilienses-estudam-como-medir-ha-quanto-tempo-uma-marca-de-dedo-foi-feita.shtml